eventos
exposição edifício a4, barreiro
262709—2020

onze


quan-
tos
A4
cabem no á-
quatro?







262709
2020


o A4 foi um evento que decorreu nos dias 26 e 27 de setembro de 2020 no edifício áquatro no barreiro, organizado e produzido pela estação sul e sueste e o coletivo tarimba em parceria com a baía do tejo, a câmara municipal do barreiro e a fundação amélia de mello. teve como objeto de reflexão o formato A4 e o processo criativo dos artistas tendo como cenário um edifício de exceção do território industrial do barreiro, o áquatro.

convidámos artistas, coletivos ou entidades a submeterem um a4 que fosse uma reflexão sobre o seu processo criativo e os limites dimensionais deste formato. não existiram restrições sobre as técnicas, os materiais ou os temas. o formato seguiu as dimensões 29,7 x 21 cm considerando-se propostas com relevo até 5 cm. e apenas foi admitida uma folha por artista.

além da participação de mais de 80 artistas e arquitetos que aceitaram o desafio de refletir sobre o formato A4, a tarimba foi também responsável por trabalhar 4 intervenções livres em 4 salas como espaços tridimensionais de uma folha A4 com 4 artistas convidados guiados pela frase ‘dentro da folha em branco’:

— henrique neves
ruínas e outros restos, 2020

henrique neves explora as noções de transitoriedade, ruína, ecologia e intercâmbio social nas suas peças, a nível conceptual e material, através da forma como pinto e nos materiais que usa. interessa ao artista o potencial da pintura, os seus processos e materializações, que explora através de obras bidimensionais e tridimensionais. apresentou os seus trabalhos em portugal (munhac, galeria foco, bienal de cerveira, entre outros), reino unido (belfast e st leonards), frança (versalhes, festival pdf), berlim (trace projects) e lahore. foi finalista do prémio mac international 2016 (metropolitan art center belfast, irlanda do norte) e do portuguese emerging art 2020 green edition (portugal). o seu trabalho integra as coleções da bienal de cerveira, biblioteca de arte da fundação calouste gulbenkian e várias coleções privadas. henrique neves foi bolseiro da fundação c. gulbenkian e da dgartes, em situações diversas, estudou em lisboa e londres, e presentemente é representado por casa70lisboa.

— juliana matsumura
memórias da água, 2020

juliana matsumura (mogi das cruzes, 1993) é artista nipo-brasileira. concluiu o curso de desenho do ar.co (2017), tendo frequentado a licenciatura em design têxtil e de moda da universidade de são paulo. atualmente estuda artes e humanidades pela faculdade de letras da universidade de lisboa, participa do grupo de acompanhamento crítico em arte contemporânea nowhere e é membro do grupo de práticas focadas em desenho contemporâneo risco coletivo. o desenho é o principal meio de expressão, mas também
desenvolve pesquisa em instalação e vídeo. das exposições que participou destacam-se: grão – residência artística na antiga capitania de aveiro (2020); surgit (individual) no
nowhere; mostra jovens criadores 2018 na nova sbe, carcavelos (2019); evocatório na galeria mute, lisboa (2018); platform for emerging arts #18 na leyden gallery, londres (2018) e encontros do olhar no instituto tomie ohtake, são paulo (2016). vive e trabalha em lisboa.

— mafalda d’oliveira martins
make it your own or go home, 2020

mafalda d ́oliveira martins (mom) (lisboa, 1994). licenciada e mestre em pintura pela faculdade de belas-artes da universidade de lisboa, os seus estudos passaram também pela snba e pela fba da universidade complutense, em madrid. o seu trabalho visual procura no corpo e na relação humana uma linguagem própria e interdependente. integrou várias exposições colectivas em espaços como ordem dos arquitectos, o museu da electricidade, a casa-museu medeiros e almeida, o iseg, a casa das histórias, entre outros. integra a colecção do património artístico da universidade lusíada de lisboa, do porto e de vila nova de famalicão.

— tiago rocha costa
sunset at mascarene (after keulemans) #1

tiago rocha costa (évora, 1995) é mestre em pintura pela faculdade de belas-artes da universidade de lisboa (2020) e licenciado em artes visuais - multimédia pela universidade de évora (2016). desde 2014 que participa regularmente em exposições, destacando-se entre as mais recentes: avian strata (espaço cultural mercês, lisboa, 2020), ineligible (museu internacional de escultura contemporânea, santo tirso, 2020) e grão (galeria da antiga capitania de aveiro, 2020). o seu trabalho foi distinguido com o prémio de pintura henrique pousão (2016) e com menções honrosas nos concursos prémio sgcpm – fbaul (2019) e prémio de pintura e escultura de sintra (2017).


o A4 é o resultado da repetição, da ação de procurar, re-observar, criar. deste processo surgiram inúmeras e surpreendentes formas de pensar uma folha A4. foi um momento único que celebrou a criação artística mas também o apoio às artes.

o intuito de levar a arte a todos e o incentivo ao início de uma coleção com incríveis peças presentes nesta exposição fizeram do evento A4 no edifício áquatro, rua industrial alfredo da silva, baía do tejo, barreiro (junto do mural do vhils), um sucesso depois de muito sonhado e trabalhado durante o verão quente de 2020.

agradecimentos especiais
à estação sul e sueste
à baía do tejo
à câmara municipal do barreiro

à fundação amélia de mello
a todos os artistas que participaram no A4
ao henrique neves
à juliana matsumura
à mafalda d’oliveira martins
ao tiago rocha costa